Translate

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Acham na África uma possível e desconhecida linhagem de seres humanos


Os cientistas estabeleceram que um fragmento de crânio humano de 22 mil anos encontrado no Quênia, é muito diferente dos de resultados semelhantes na África e na Europa, ao mesmo tempo. Isto sugere a existência de uma linhagem humana desconhecida e destaca a diversidade incrível na humanidade pré-histórica.


Após uma avaliação adicional de um crânio descoberto de 22 mil anos em Lukenya Hill, Quênia, em 1970, pesquisadores internacionais têm encontrado singularidades significativas. Embora seja um Homo sapiens,  não coincide com o que foi encontrado no mesmo período de tempo em lugares tão distantes como a Ásia e Europa , relata Ciência Viva .

"Não se parece a nada já visto, por que mostra uma diversidade original que desde então temos perdido" disse o pesquisador Christian Tryon, do Museu Peabody de Harvard. " É provavelmente uma linhagem extinta ".

O mesmo sítio no Quênia também tem depósitos que são mais do que o dobro da idade do crânio, incluindo cascas de ovos de avestruz de 46 mil anos que foram usados para fazer contas. As  novas descobertas podem revelar informações sobre as mudanças na cultura humana  que tiveram lugar desde os ancestrais dos humanos modernos que deixaram a África cerca de 50.000 anos atrás.
RT