Translate

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Experiência de quase-morte transforma médico ateu em crente



A experiência de quase-morte a seguir foi compartilhada por Joseph G., um oficial da polícia de Miami, Flórida, no website da Fundação de Pesquisa de Experiências de Quase Morte (Near Death Experience Research Foundation):
Eu fui para a sala de emergências do hospital por causa de uma reação a uma injeção de tétano. Tomei duas injeções de penicilina enquanto estava na sala de emergência. Depois da segunda injeção eu caí no chão.
De repente, eu me encontrei flutuando no teto, assistindo ao tumulto que acontecia no quarto. Meu corpo estava na maca, pulando e tremendo. O quarto estava cheio de pessoas trabalhando em mim, golpeando-me.
A enfermeira que me deu as injeções estava sentada no chão, no canto, histérica. Eu os vi com as pás elétricas tentando reanimar meu coração, sem sorte. Eu acho que ouvi alguém dizer que eu estava morto.
De repente, um doutor correu para o quarto, empurrando todos para fora do caminho. Ele carregava essa seringa longa, com uma agulha longa, e mergulhou-a no meu peito. Essa era a última coisa que eu lembrava.
Uma semana e pouco depois, eu acordei de repente. Eu estava em um quarto de hospital. Quando eu acordei, um médico entrou no quarto. Eu o reconheci como aquele com a agulha. As primeiras palavras que eu disse a ele foram: “Eu acho que foi uma coisa boa você ter vindo naquele momento”.
Ele ficou completamente chocado! Ele perguntou à enfermeira com quem eu havia falado. Ela disse a ele: “Ninguém, ele acabou de acordar de um coma”. Ele disse para a enfermeira que não era para ninguém falar comigo, inclusive ela, até ele voltar.
Quando ele voltou, tinha um grande grupo de doutores com ele. Ele pediu-me para repetir o que eu havia dito.  Eu o fiz. Ele disse que não havia maneira de eu tê-lo visto, que eu estava morto naquele momento. Ele me pediu para contar o que mais eu lembrava. Eu contei a ele tudo o que lembrava, como havia acontecido e descrevi tudo que vi.
Eles estavam todos chocados porque eu estive morto durante todo o momento. Depois ele me disse que antes do meu episódio ele era ateu, mas agora não é mais.
Foi uma história e tanto no Miami Herald por um bom tempo.
Desde aquele dia até hoje, eu não tenho medo de morrer, na verdade eu tenho esperado ansiosamente por isso. Eu sinto que Deus me rejeita porque ele tem algum propósito para mim.
Desde aquele episódio, eu tenho tido muitas experiências que matariam qualquer outro, mas não a mim.
Por exemplo, agora mesmo, eu estou me recuperando de um pescoço quebrado. As três vértebras de cima quebraram, e isso geralmente resulta em paralisia.