Translate

sexta-feira, 20 de março de 2015

A Pedra Filosofal e a Escada de Jacó


O conto mítico sobre a escada de Jacó, encontrado na Bíblia, relata o processo alquímico para chegar a uma completa gnose, ou seja, iluminação. Em teoria, uma escada simbólica, pela qual teremos que galgar, se desejarmos alcançar o estado divino, enquanto estamos presos à matéria, aqui na Terra. Enquanto fazemos a escalada, é necessário purificar nossos pensamentos, hábitos e ações até atingir o processo final de nossa ascensão, ao ativar todos nossos sete sentidos e as partes inativas do DNA.
Homero, o autor grego da Ilíada e a Odisseia, reverenciado por ser o maior de todos antigos poetas gregos, descreveu a “escada de Jacó” como as correntes de Júpiter caindo do céu para a Terra, levando ao aumento da necessidade de seu significado simbólico.
Albert Pike, escreveu em sua obra “Moral e Dogma”: “A escada que leva a ascensão tem sete degraus ou níveis de consciência; podendo também ser entendido como sete esferas, representando sete planetas”.
Buscando um maior entendimento sobre o que está por detrás do mistério das correntes de Júpiter, primeiramente é necessário entender a descrição do que aparece em Genesis 28:10-19.
O famoso poeta italiano da Idade Média, Dante, nos deixa mais dicas inseridas nas alegorias da Divina Comédia; enquanto dormia entra em contato com “Shining-eyed St Lucy”(Santa Lucia com olho brilhante) que o retira do vale para os portões do purgatório. Uma águia diz a ele que a justiça é uma obra de Deus e não cabe aos homens.
A águia é anjo ou espírito, uma alegoria ao Planeta Júpiter(nome em latim do deus Zeus), ligado ao passado da humanidade. Lucy é Lúcifer e o fósforo(do grego phosphoros – estrela da manhã, por vezes entendido como Vênus mas que aqui que refere a Júpiter) que acende o nosso DNA, ativando-o, lembrando ao homem quem ele realmente é.
A Pedra onde Jacó depositou a cabeça enquanto dormia e via os anjos descendendo e ascendendo pela escada é o fósforo que ativará o nosso DNA, a verdadeira Pedra Filosofal.