Translate

terça-feira, 10 de março de 2015

Seis intrigantes mistérios de códigos ainda não decifrados


6. Sinal de rádio ‘Wow!’
Sinal Wow! (Wikimedia Commons)
Sinal Wow! (Wikimedia Commons)
Em 15 de agosto de 1977, um sinal de rádio de 72 segundos vindo do espaço incitou a pesquisa por inteligência extraterrestre. O astrônomo Jerry Ehman viu o sinal em impresso e escreveu a palavra ‘Wow!’ na folha, dando ao sinal o apelido que ele tem hoje. O sinal veio da constelação de Sargitário, perto do centro da galáxia.
Ehman, lembrando do ocorrido em uma entrevista com o Cleveland’s The Plain Dealer, disse: “Foi a coisa mais importante que eu já vi”.
O sinal não tem nenhum significado aparente. Ele foi recebido pelo observatório de rádio Big Ear da Universidade do Estado de Ohio. Ele causou muita emoção, e nenhuma transmissão parecida foi descoberta desde então, levando muitos a perder a esperança de que poderia ser uma tentativa de contato vinda de extraterrestres.

5. Manuscrito de Voynich
Manuscrito de Voynich (Wikimedia Commons)
Manuscrito de Voynich (Wikimedia Commons)
A data de origem e outras informações sobre o Manuscrito de Voynich estão abertas a debate, mas alguns dizem que foi escrito na Europa Central no século 15 ou 16. O Manuscrito é escrito com uma língua desconhecida, cujos analistas têm sido incapazes de decifrar. Os desenhos intrigantes do manuscrito retratam uma variedade de cenas, de cartas astrais a “miniaturas de fêmeas nuas, a maioria com abdomens inchados, imersas ou caminhando em fluidos e estranhamente interagindo com tubos e cápsulas de interconexão”, segundo a descrição dabiblioteca da Universidade de Yale.
Ele também contém muitos desenhos farmacêuticos de plantas medicinais. Alguns dizem que é um livro de magia ou um trabalho científico.
O manuscrito foi nomeado por Wilfrid M. Voynich, um vendedor de livros antigos que o adquiriu em 1912.
Trecho do Manuscrito de Voynich (Wikimedia Commons)
Trecho do Manuscrito de Voynich (Wikimedia Commons)
Trecho do Manuscrito de Voynich (Wikimedia Commons)
Trecho do Manuscrito de Voynich (Wikimedia Commons)

4. Kryptos
Escultura Kryptos (Wikimedia Commons)
Escultura Kryptos (Wikimedia Commons)
Do lado de fora da sede da CIA está uma escultura de cobre coberta com um código. Ela foi criada por Jim Sanborn em 1990, e décadas depois parte dela permanece indecifrável. Três dos quatro quebra-cabeças foram resolvidos, e Sanborn está impaciente para descobrirem o quarto.
“Eu digo que o código pode ser decifrado em um tempo curto”, disse ele ao New York Times em 2010. Ele deu uma dica para ajudar as pessoas a decifrarem o código: do 64° ao 69° caractere na série final se lê NYPVTT. Quando decifrado, lê-se BERLIM.
Aqui está uma parte do código ainda a ser decifrada:
OBKR
UOXOGHULBSOLIFBBWFLRVQQPRNGKSSO
TWTQSJQSSEKZZWATJKLUDIAWINFBNYP
VTTMZFPKWGDKZXTJCDIGKUHUAUEKCAR
A terceira parte decifrada narra a descoberta da tumba do rei Tut (o erro de ortografia é intencional) pelo egiptólogo Howard Carter: “Devagar, devagar, os restos dos escombros da passagem que dificultava passar pela parte inferior da porta foi removido. Com as mãos trêmulas eu fiz uma pequena brecha no canto superior esquerdo. E, em seguida, alargando o buraco um pouco, eu inseri uma vela e olhei para dentro. O ar quente escapando da câmara fez a chama piscar, mas os detalhes do interior começaram a emergir da névoa. x Pode ver alguma coisa? q”.

3. A inscrição no Monumento ao Pastor
Edward Wood via Wikimedia Commons
Edward Wood via Wikimedia Commons
Poderia ser as direções para o Santo Graal? Esse é o rumor em torno das marcações do Monumento ao Pastor.
É estimado que o monumento esteve no estado de Shugborough em Staffordshire, Inglaterra, desde 1750. A estrutura em arco foi desenhada por Thomas Wright e James Stuart. Peter Scheemakers esculpiu o monumento baseado em uma pintura do artista barroco Nicolas Poussin.
A parte mais misteriosa é a inscrição no pedestal. Lê-se: OUOSVAVV, com um D e um M em cada lado, abaixo das outras letras. Poussin era conhecido por saber a localização do Santo Graal, por isso o uso de sua pintura acrescenta mais mistério a este monumento.
A inscrição no Monumento ao Pastor (Wikimedia Commons)
A inscrição no Monumento ao Pastor (Wikimedia Commons)
A escultura de Shugborough, adaptação da segunda versão do ‘Pastores de Arcadia’ de Nicolas Poussin (Wikimedia Commons)
A escultura de Shugborough, adaptação da segunda versão do ‘Pastores de Arcadia’ de Nicolas Poussin (Wikimedia Commons)

2. Tamam Shud
Papel escrito Tamam Shud (Wikimedia Commons)
Papel escrito Tamam Shud (Wikimedia Commons)
Em 1948, um homem excepcionalmente atlético vestindo um terno elegante e sapatos bem lustrados foi encontrado morto na Praia de Somerton, na Austrália. Em um bolso escondido na cinta da calça estava um pedaço enrolado de papel que havia sido arrancado de um livro de poesia persa chamado “Rubaiyat of Omar Khayyam”. No papel estava escrito “Tamam Shud”, que significa “Isso Acabou”.
O homem não tinha nenhuma identificação com ele e até hoje sua morte e o pequeno pedaço de papel em seu bolso permanecem um mistério.
Mesmo a causa da morte não foi determinada. Testemunhas o viram vivo deitado na praia horas antes de sua morte e pensaram que ele estava bêbado por causa dos pequenos movimentos que ele fez. Investigadores imaginaram que ele tinha sido envenenado, mas nenhum traço de veneno foi encontrado em seu corpo. É possível, alguns dizem, que um tipo muito raro de veneno que se decompõe no corpo após ter sido usado, pode ser a causa da morte.
O livro de onde o papel foi tirado foi encontrado e sob luz ultravioleta um código pode ser visto inscrito dentro. A inteligência naval e outros profissionais e amadores tentaram decifrá-lo, mas sem sucesso.
Esquerda: o código dentro do “Rubaiyat” livro do qual o papel escrito “Tamam Shud” do homem morto foi retirado. O código, revelado através de luz ultravioleta, não foi resolvido. Direita: o corpo encontrado na praia (Wikimedia Commons)
Esquerda: o código dentro do “Rubaiyat” livro do qual o papel escrito “Tamam Shud” do homem morto foi retirado. O código, revelado através de luz ultravioleta, não foi resolvido. Direita: o corpo encontrado na praia (Wikimedia Commons)

1. As tábuas da Geórgia
As tábuas guias da Geórgia em Elberton, Geórgia (Shutterstock)
As tábuas guias da Geórgia em Elberton, Geórgia (Shutterstock)
Seis tábuas de granito estão de pé no sul rural, inscritas com quatro línguas antigas: Cuneiformes Babilônico, grego clássico, sânscrito e hieróglifos egípcios. As próprias tábuas são de design moderno, embora a identidade da pessoa que as encomendou foi mantida em segredo e o significado das inscrições tem sido muito debatido.
Quando traduzido, as inscrições nas tábuas declaram: “Que este seja o guia para uma Era da Razão”.
A pessoa que encomendou as tábuas, em 1979, é conhecida apenas pelo nome de RC Christian. A única pessoa viva que sabe qualquer coisa sobre R.C. Christian é o banqueiro aposentado Wyatt Martin, que prometeu manter o segredo, como Christian pediu a ele.