Translate

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Conheça os super-homens dos tempos antigos


A ideia de um super-homem, claro que sem roupas apertadas e muito menos coloridas, é uma tendência ancestral da humanidade e não uma exclusividade moderna. Ao longo da história, é possível verificar as narrações mais incríveis sobre indivíduos superdotados, que lutam contra o mal e para defender a espécie humana. Abaixo, apresentamos cinco dos super-heróis ancestrais de maior destaque:

1. São Francisco de Assis
 Com superpoderes para reproduzir em seu corpo os estigmas de Jesus crucificado, levitar e falar com os animais, São Francisco de Assis se destacou como um dos super-heróis ancestrais mais poderosos de todos os tempos.
2. O Barão de Münchausen
Com uma vasta gama de superpoderes, que incluía a superforça, a superaudição, a supervisão e a supervelocidade, esse personagem literário não se parece nada com o verdadeiro, Karl Friedrich Hieronymus, o qual inspirou o romance. Sua ousada manobra de subir na bala de um canhão recém-disparado é notável, mas ter chegado à Lua em um balão, respirar em sua atmosfera sem problemas e retornar à Terra por uma corda é realmente a supremacia em relatos super-heroicos.
3. Guilherme Tell:
Com poderes de extrema força e precisão, esse personagem suíço, que de fato existiu, transformou-se em uma lenda da primavera durante o século XV. Sua história não se destaca apenas pela destreza com que atirou em uma maçã, colocada sobre a cabeça do seu filho por ordem do malvado Albrecht Gessler, mas também pela incrível força que usou para desviar o navio em que estava, durante uma terrível tempestade.
4. São Patrício
Com poderes para afugentar cobras, São Patrício faz jus aos ensinamentos do Professor Charles Xavier, de X-Men, ao demonstrar que nem sempre é a força bruta que acaba se impondo. Ele foi um missionário, que chegou às terras irlandesas no século V para expulsar as cobras do local, sem precisar fazer muito esforço para enxotá-las.
5. São Jorge
Com poderes para matar dragões e voltar dos mortos, esse cavaleiro de armadura brilhante, cuja origem se confunde com a de um soldado romano cristão, martirizado no século III, não precisou utilizar superpoderes para matar o dragão, embora tenha ressuscitado quando foi esquartejado por ordem de Diocleciano.