Translate

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Agência Espacial Europeia quer colidir a sonda Rosetta com o cometa 67P

Há um ano, a Rosetta tornou-se a primeira sonda a orbitar e pousar em um cometa. Criada pela Agência Espacial Europeia (ESA), a sonda levou dez anos para alcançar o cometa Churyumov-Gerasimenko, conhecido como 67P, que está a 500 milhões de quilômetros da Terra. Como se não bastasse, a velocidade do alvo era pouco mais de 135 mil quilômetros por hora, o que dificultou bastante o pouso do módulo Philae, que de fato teve problemas e parou em uma área escura. Depois, sem receber a luz solar necessária para recarregar sua bateria, o módulo hibernou.
Agora, a Rosetta volta a criar expectativa. Em junho, o Philae finalmente restabeleceu contato (é provável que tenha acordado quando o cometa se aproximou do Sol) e descobriu buracos enormes e profundos, que mostram variações na estrutura interna do 67P e podem servir para novas teorias sobre sua formação.
Mas o maior alvoroço mesmo envolve a decisão a respeito do fim da Rosetta. É que a Agência Espacial Europeia quer que a sonda bata de frente com o cometa. Parece trágico, mas não é. Ao se aproximar do 67P, a Rosetta poderia enviar imagens ainda mais detalhadas de sua superfície. A alternativa é mais interessante que a opção original, de desligá-la e deixá-la orbitando o cometa para sempre.
E, já que está difícil decidir, agora os cientistas pelo menos ganharam tempo para pensar: a missão, prevista para terminar em dezembro, foi estendida até setembro de 2016.
 (Foto: Feu e Ricardo Napoli/ Editora Globo)