Translate

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Abre alas Via Láctea! Galáxias elípticas são as mais habitáveis no Universo


A procura por vida extraterrestre é certamente uma das tarefas mais importantes assumidas por nós humanos.  Porém, o cosmos é vasto e não temos a mínima ideia de quais lugares são realmente habitáveis.  Mas e se você pudesse almejar de forma mais precisa o local de procura?+
Construímos o primeiro modelo cosmobilógico de mapeamento das galáxias no nosso Universo, para nos ajudar a compreender quais são habitáveis.  Surpreedentemente, descobrimos que a nossa própria galáxia não era a melhor candidata.+
 +
Ingredientes para a habitabilidade+
Tomando a nossa compreensão de ‘zonas habitáveis’ dentro de uma galáxia, propusemos que a habitabilidade geral de qualquer galáxia depende de três critérios astrofísicos chave.  Um é simplesmente o número total de estrelas capazes de hospedar planetas, os quais sejam aproximadamente relacionados ao tamanho da galáxia.  Outro é a quantidade total de blocos de construção de planetas e vida – tais como o carbono, o oxigênio e o ferro – assim chamados de ‘metais’ astrofísicos.  O último é a influência negativa das explosões de supernovas, cujas radiações poderosas (e venenosas) poderiam potencialmente inibir a formação e evolução da vida complexa em planetas próximos.+
De forma interessante, a maior pesquisa de seu tipo já implementada, dados da Maior Pesquisa Digital do Céu, mostra exatamente estas três propriedades chave para mais de 150.000 galáxias próximas.  Estes dados mostram que as galáxias maiores possuem a maior quantidade de metais.  Peneirando através destes dados, descobrimos que galáxias gigantes, as quais possuem uma forma arredondada, ao invés de braços espiralados como a nossa via Láctea, vencem o título de ‘mais prováveis de serem habitáveis’.  Na verdade, cada gigante elíptica, que tem o tamanho aproximado de duas vezes a Via Láctea e possui um décimo da taxa de supernovas, poderia potencialmente hospedar 10.000 vezes mais planetas habitáveis como a Terra.+
Nossos resultados, recentemente publicados no Astrophysical Journal Letters,também mostram que a maioria destes planetas permanecem intocáveis pela radiação nociva.+
Impressão artística da Via Láctea
Não mais tão especial assim.  Uma impressão artística da Via Láctea. Crédito: NASA+
Esta é a primeira computação que discute a vida em escalas cosmológicas, ao invés de somente dentro de galáxias individuais, como a Via Láctea.  Assim, o modelo abre uma nova avenida, estendendo a compreensão da habitabilidade ao redor de estrelas individuais para uma verdadeiro contexto ‘cosmobiológico’, o qual nos permite discutir a habitabilidade de todo o Universo.+
Umas das características mais atraentes do modelo é que os dados utilizados incluem toda a história de todas as galáxias no Universo que conseguimos ver ao nosso redor.  O relacionamento entre um número de estrelas, a quantidade de metais e a taxa de explosões de supernovas essencialmente agem como a ‘impressão digital’, unicamente identificando a forma com que uma dada galáxia é formada.  Este é a pedaço de informação que precisamos para a compreensão das mudanças da habitabilidade galáctica, a qual faltava neste campo.+
 +
Estamos na galáxia errada?+
Por todos os cálculos, a nossa Via Láctea é uma típica galáxia espiral de tamanho médio, que produz uma estrela como o nosso Sol a cada ano, aproximadamente.  Devido ao fato de que as galáxias elípticas são muito mais hospitaleiras aos planetas habitáveis, levanta-se a questão interessante se a vida aqui na Via Láctea é somente um capricho da natureza.+
Ou a presença de vida em pelo menos um planeta na Via Láctea implica no fato de que estas grandes galáxias elípticas poderiam estar absolutamente fervilhando com vida?+
Uma desvantagem é a de que a galáxia elíptica mais próxima da Via Láctea, chamada de Maffei1, está tão distante, que qualquer sinal de rádio apontado para este vizinho cósmico demoraria 9 milhões de anos para nos alcançar.   Pesquisas, tais como as do SETI (Search for Extraterrestrial Intelligence), que continuamente mapeia os céus à procura e sinais anômalos, poderiam um dia detectar tais sinais no futuro; uma chamada para nós de um vizinho (não tão) próximo.+

Fontephys.org