Translate

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Descobrem um novo componente do Universo em uma "rede cósmica"


Um novo estudo publicado pela revista Nature afirma que uma equipe de especialistas da Universidade de Genebra descobriu um componente do universo que foi "escondido" dentro de um gás muito quente ao longo de fios da "rede cósmica".
De acordo com modelos físicos atuais, apenas cerca de 5% de nosso universo é composto de matéria comum. Uma equipe de especialistas da Universidade de Genebra (UNIGE), na Suíça, observou este fenômeno e publicaram sua descoberta na revista 'Nature'. Eles afirmam que a maior parte da matéria comum que falta descobrir se encontra como um gás intergaláctico muito quente associado com filamentos.
O material é conhecido como ordinário, que é feito com quase tudo o que conhecemos, é apenas 5% do universo. Cerca de metade deste ainda é difícil de detectar. Estimativas numéricas preveem que permitiu que o resto da matéria comum deve estar localizado em estruturas que formam uma "teia cósmica 'e que se encontram, a temperaturas de entre 100.000 e 10 milhões de graus.
Sob a ação da gravidade, a 'teia cósmica' centra-se em longos fios:, estruturas de filamentosas que formam uma enorme rede em todo o universo. Esta rede é constituída por um "esqueleto" de matéria escura que atrai a maior parte da matéria comum no universo para ela.
Depois de observar os raios X emitidos por essas estruturas de gases extremamente quentes dentro dos filamentos brilhantes, os investigadores foram capazes de estimar a densidade da teia cósmica, e assim a quantidade de matéria comum para ser contida.
 Os especialistas se concentraram em Abell 2744, um conjunto maciço de galáxias com uma complexa distribuição de matéria escura e padrão de distribuição caótica. O telescópio espacial XMM permitiu essas observações e detectaram gás quente devido à sua sensibilidade aos raios-X.
Este estudo fornece informações importantes para a compreensão de modelos de formação de galáxias no universo. Para entender a origem desta formação é crucial descobrir como é a matéria comum que nós não percebemos, conhecido como bárions perdidos (partículas subatômicas formadas por três quarks). Além disso, a distribuição da matéria comum no universo não é uniforme. Acredita-se que algo invisível no cosmos está atraindo material a certos pontos e que esta era uma distribuição desigual.Esta matéria invisível chamada matéria escura.
"Agora temos de verificar que a descoberta de bárions perdidos em Abell 2744 é aplicável a todo o universo", diz Dominique Eckert, um dos autores do estudo. Na verdade, se os investigadores podem medir os átomos nestes filamentos será capaz de estimar o número de núcleos formados por estrelas pesadas ​​desde o início do universo e, em seguida, resolver um mistério de longa data na cosmologia.