Translate

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Emergência: Aquecimento oceânico irá liberar toneladas de gás metano na atmosfera


O gás metano que está preso em camadas congeladas abaixo do fundo do mar, no largo da costa oeste nos Estados Unidos. Uma nova pesquisa da Universidade de Washington mostra que a água, em profundidades intermediárias está se aquecendo o suficiente para fazer com que esses depósitos de carbono se derretam, liberando metano nos sedimentos e nas águas ao redor.
Os pesquisadores descobriram que a água no largo da costa de Washington está gradualmente aquecendo a uma profundidade de 500 metros, a cerca de um terço de uma milha abaixo. Isto é a mesma profundidade em que o metano transforma-se de sólido para gasoso. A pesquisa sugere que o aquecimento dos oceanos poderia estar desencadeando a liberação de um poderoso gás do efeito estufa.
“Nós calculamos que uma quantidade de metano equivalente ao volume do vazamento de petróleo do Deepwater Horizon é liberado a cada ano no largo da costa de Washington”, disse Evan Solomon, professor de oceanografia e co-autor do artigo na revista Geophysical Research Letters.

4 milhões de toneladas de metano foram liberados a partir da decomposição de hidrato

Enquanto os cientistas acreditam que o aquecimento global vai liberar metano a partir de hidratos de gás em todo o mundo, a maior parte do foco atual tem sido sobre os depósitos no Ártico. Este trabalho estima que entre 1970 e 2013, cerca de 4 milhões de toneladas de metano foram liberados a partir da decomposição de hidrato em Washington. Todos os anos essa quantidade é igual ao metano de gás natural, liberado na Deepwater Horizon em 2010, no largo da costa da Louisiana, e 500 vezes a taxa na qual o metano é naturalmente liberado no fundo do mar.
“Hidratos de metano são reservatórios muito grandes e frágeis de carbono que podem ser liberados com as mudanças de temperaturas”, disse Solomon. “Eu estava em dúvida no início, mas quando olhamos para os montantes, vi que era significativo.”

Litorais ao redor do mundo detêm depósitos que seriam vulneráveis ao aquecimento

O metano é o principal componente do gás natural. Nas temperaturas frias e pressões altas do oceano, o metano mistura-se com a água em um cristal chamado “hidrato de metano”. No noroeste do Pacífico existem grandes depósitos de hidratos de metano por causa de suas águas biologicamente produtivas. Mas os litorais ao redor do mundo detêm depósitos que poderiam ser igualmente vulneráveis ao aquecimento. ”
Este é um dos primeiros estudos a olhar para a margem de baixa latitude “, Disse Solomon. “Nós estamos demonstrando que o aquecimento de media profundidade pode aumentar a liberação de metano.”, completa. A Co-autora Una Miller, graduada em oceanografia na UW, diz que primeiro foram recolhidos milhares de medições históricas de temperatura em uma região ao largo da costa de Washington como parte de um projeto de pesquisa separado no laboratório do co-autor Paul Johnson, um professor de oceanografia da UW. Os dados revelaram o inesperado sinal de aquecimento dos oceanos na sub-superfície. “Mesmo que os dados sejam recentes e bastante confusos, podemos ver uma tendência”, disse Miller. As quatro décadas de dados tem mostrado que as águas mais profundas veem sendo aquecida devido à mudança climática.
“Vários estudos anteriores estão voltados para a superfície, e a maioria dos dados ainda estão lá”, disse o co-autor Susan Hautala, também professor de oceanografia da UW. “Esta profundidade acaba sendo um ponto ideal para detectar estas tendências.” A razão, é que encontra-se abaixo da água mais próximo da superfície que é influenciada por ciclos atmosféricos num longo prazo.

Aquecimento da água percorre no mar entre Rússia e Japão

O aquecimento da água provavelmente vem do mar de Okhotsk, entre a Rússia e o Japão, onde a superfície da água se torna muito densa e depois se espalha para o leste do Pacífico. O mar de Okhotsk é conhecido por ter aquecido ao longo dos últimos 50 anos, e outros estudos têm mostrado que a água leva uma década ou duas para atravessar o Pacífico e alcançar a costa de Washington. “Começamos a pesquisa quando percebemos que esta é também a profundidade mais sensível para os depósitos de hidrato de metano”, disse Hautala. Ela acredita que as mesmas correntes oceânicas podem ser das águas aquecidas de média profundidade do norte da Califórnia ao Alasca, onde são conhecidos como depósitos de metano congelado.
O aquecimento da água faz com que a borda congelada de hidrato de metano se mova em águas mais profundas. No aquecimento do oceano, a fronteira entre o metano congelado e gasoso se torna mais profunda e longe da costa. Os cálculos no papel mostram que, desde 1970, o limite de Washington passou cerca de um pouco mais de um quilômetro longe da costa. Em 2100, o limite para o metano sólido poderá se mover de 1 a 3 quilômetros do mar. As estimativas para o valor futuro do gás liberado de dissociação de hidrato neste século são tão elevadas como 0,4 milhões de toneladas por ano, ou quadruplicar a quantidade de metano a partir do vazamento do Deepwater Horizon por ano.
O lugar para onde todo o gás de metano liberado irá terminar ainda é desconhecido. Pode ser consumido pelas bactérias no sedimento do fundo do mar ou na água, onde poderia causar a água do mar tornar-se mais ácida e privada de oxigênio. Alguns metanos também podem subir para a superfície, onde ele iria liberar para a atmosfera na forma de gás de efeito estufa, agravando os efeitos da mudança climática. Os pesquisadores agora esperam para verificar os cálculos com novas medidas. Nos últimos anos, os oceanógrafos enviaram imagens de sonar que mostram colunas misteriosas para UW. Solomon e Johnson haviam acabado de voltar de um cruzeiro para verificar alguns desses sites em profundidades onde Salomon acredita que podem ser causados pelo aquecimento de água. “Essas imagens dos oceanógrafos que foram enviadas, foram de 100 por cento de precisão”, disse Johnson. “Sem eles a ajuda deles, teria sido um tiro no escuro.”, completa. Johnson e Solomon estão analisando os dados do cruzeiro para detectar o que está provocando essa infiltração, e o destino de qualquer metano liberado.
As recentes aparições de bolhas de metano estão subindo para a superfície do mar, segundo os autores, sugere que pelo menos uma parte do gás do fundo do mar pode chegar à superfície e à ventilação para a atmosfera.
Leia mais em: http://ciencia.me/zGu