Translate

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

É verdade que as drogas naturais, de efeitos psicodélicos, têm uma função evolutiva na história animal? Alguns pesquisadores defendem essa hipótese, que recebeu um novo respaldo: de acordo com um estudo realizado por paleontólogos da Universidade de Oregon, os dinossauros consumiam um cogumelo de propriedades alucinógenas.
A equipe liderada pelo Dr. Gregory Poinar Jr. descobriu um fóssil de planta preservado em âmbar há 100 milhões de anos, tendo o cogumelo Ergot como parasita. O fungo e a planta evoluíram juntos e, uma vez que esta era fundamental na dieta dos dinossauros, os cientistas deduziram que, provavelmente, eles consumiam o Ergot.O cogumelo possui efeitos tóxicos e alucinógenos e, em alguns animais, causa necrose, convulsões e atrofias. Ele teria sido ingerido por dinossauros saurópodes, embora não seja possível saber que efeitos produzia no sistema nervoso.
O LSD foi sintetizado com base no Ergot, e acredita-se que, na Grécia Antiga, o Ergot originado a partir do cornelho de centeio teria sido utilizado em rituais de iniciação. “Parece que o Ergot evoluiu junto com animais e seres humanos desde quase sempre, e agora sabemos que esse cogumelo remonta, literalmente, à fase inicial das plantas”, explicou Poinar Jr.
Fonte e imagens: Perú.com