Translate

quarta-feira, 20 de maio de 2015

ERIS - A DEUSA DO CAOS


Os romanos a chamavam de Discórdia. Os gregos de Eris, a deusa do caos e do confronto, filha de Nyx (noite) e Irmã de Hypnos (sono). Nêmesis (retribuição), Destino e Tânatos (morte). Eris era tão encrenqueira que começou, praticamente sozinha, a guerra de Tróia. Como não foi convidada para o casamento de PeIeus e Thetis, ela entrou na festa de penetra e, injuriada pelo descaso, jogou uma maçã de ouro para o alto. No pomo estava escrito “para a mais bela”, e as deusas presentes – ­Afrodite, Atena e Hera - começaram a se estapear para ver quem o merecia, Para resolver a questão, as três procuraram o pastor de cabras Páris, e pediram que ele decidisse quem era a mais bela, Páris escolheu Afrodite e ganhou, em retribuição, a mão (e todo o resto) de Helena, a mulher mais bonita da Terra. O pro­blema é que Helena era casada com o rei grego Menelau. Pàns não teve dúvidas, raptou a moça e levou-a para Tróia. Gregos e troianos passaram os dez anos seguintes se matando.
Vem daí a expressão “pomo da discórdia”.
Eris é representada como uma mulher de olhos esbugalhados e com a cabeça cheia de serpentes. Numa mão ela carrega um punhal. Na outra, uma tocha. Segundo os adep­tos do DISCORDIALISMO, Eris é a deusa suprema do cosmo. E nosso único caminho para a salvação é o nonsense, a in­triga, a criação de idéias absurdas, a produção de teorias conspiratórias e a fabricação da discórdia. Só o caos salva.