Translate

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Mamutes de volta? Já existe até uma área reservada para a criação dos animais


Uma equipe de cientistas tem considerado a hipótese de clonar uma espécie de mamute extinta há 27 mil anos, a partir dos genes de um espécime congelado e em ótimas condições. E o lugar para a criação desses animais já teria sido escolhido. Será mesmo possível trazer estes bichos de volta, algo como ocorreu com os dinossauros no filme Jurassic Park? E como seria a vida dos "novos" mamutes, deslocados do seu espaço e tempo de origem?

Caso o experimento dê certo, o habitat deste enormes mamíferos seria o Parque Pleistoceno, na Sibéria, uma região equipada com laboratórios científicos e com um meio ambiente similar ao que costumavam habitar as antigas espécies no momento de seu desaparecimento. O parque, com uma superfície de apenas 16 km², está localizado no extremo leste da Rússia, próximo ao Estreito de Bering e ao Mar Siberiano Oriental.
O espécime do mamute que daria vida a novos congêneres foi descoberto por uma expedição científica em 2013. Desde então, diversos trabalhos apontaram para uma possível clonagem: “Seu corpo foi mantido em excelentes condições porque estava preso em puro gelo”, explicou Semyon Grigoriev, diretor do Museu do Mamute e chefe da expedição. “O sangue é muito escuro. Ele foi encontrado afundado, da barriga para baixo, em cavidades de gelo, e quando a separamos, o sangue saiu escorrendo”, ele acrescentou.
No entanto, nem todos os projetos de clonagem estão seguindo o mesmo caminho. Enquanto uma equipe de cientistas da Universidade de Harvard considera conveniente um método que parte da inserção de células de mamute em elefantes modernos, pesquisadores do Museu de História Natural de Estocolmo, que conseguiram decifrar o genoma completo dos mamutes, preferem a criação em células-tronco.
Fonte: Clarín 
Crédito da Imagem: AuntSpray-Shutterstock.com