Translate

quinta-feira, 11 de junho de 2015

À procura das peças que faltam no quebra-cabeça dos OVNIs / UFOs

Esta é a única foto conhecida de um OVNI, tirada durante a Guerra do Vietnã.  Ela foi tirada com uma câmera Electro-35 Yashica, por um soldado estadunidense que estava na caçamba de um caminhão, ao longo de uma estrada rural próxima de Chu-Lei, em março de 1967 (Crédito: UFO Photo Archives/Wendelle Stevens).

A Força Aérea dos EUA continua afirmando que encerrou o Projeto Livro Azul (Project Blue Book) em 1969, porque, entre outras coisas, os OVNIs não constituem um problema de segurança nacional.  Mas, desde 1979, sabemos que isto foi uma mentira.  Naquele ano foi quando Robert Todd, um investigador de registros públicos, acabou encontrando o “Memorando Bolender“, que havia sido emitido uma década antes.  Mesmo enquanto defendendo o término da supostamente transparente operação de coleta de dados de 22 anos da Força Aérea, o Brigadeiro General C.H. Bolender estava escrevendo através de canais ocultos que “relatos de objetos voadores não identificados, os quais poderiam afetar a segurança nacional, são feitos de acordo com o JANAP 146, ou O Manual da Força Aérea 55-11, e não fazem parte do sistema Livro Azul.
Ah. OK.  Isso não parece nem um pouco suspeito, obrigado por esclarecer.  Todos nós iremos desligar os nosso cérebros e nunca mais perguntar sobre isto novamente.
The USAF's classified CACTA reveals at least 16 still classified UFO cases that never made it into  Project Blue Book/CREDIT: Barry Greenwood
O Arquivo de Atividades de Combate Aéreo contém pelo menos 16 caos de OVNIs que nunca foram registrados no Projeto Livro Azul. quase 50 anos mais tarde, eles ainda são classificados como secretos. Crédito: Barry Greenwood
Agora, Barry Greenwood, co-autor da obra de 1984, Clear Intent (Objetivo Claro – trad. livre n3m3), que é o exame seminal dos documentos federais sobre OVNIs, adquiridos sob o Ato de Liberdade da Informação, parece ter encontrado alguns dos casos que Bolender estava insinuando.  Enquanto passava através de um banco de dados dos Arquivos Nacionais que foram recentemente digitalizados, chamado de Arquivo de Atividades de Combate Aéreo (sigla CACTA, em inglês), Greenwood descobriu uma planilha de 16 encontros com OVNIs durante a Guerra do Vietnã, sendo a maior parte deles durante o início de 1969.  Havia uma história conhecida de atividade OVNI durante o funesto experimento ‘corações-e-mentes’ no sudeste da Ásia.  Greenwood e o falecido co-autor, Larry Fawcett, notaram o fenômeno da zona de guerra em Clear Intent. E desde 1973, o Diretor do Estado Maior, General Brown, fez registros sobre isto:
Eu não sei se esta história já foi contada, ou não.  Eles não eram chamados de OVNIs.  Eles eram chamados de helicópteros inimigos.  E eles somente eram vistos à noite e somente em alguns locais.  Eles estavam na Zona Desmilitarizada no começo do verão de 68.  E isto resultou numa pequena batalha.  E durante o período em que isto ocorreu, um contratorpedeiro australiano foi impactado e nunca encontramos nenhum inimigo…  …E isto causou algum tiroteio por lá, e não havia nenhum inimigo envolvido, mas sempre reagimos.  Sempre após o escurecer.  A mesma coisa aconteceu em Pleiku, nos planaltos, em 69.
Assim, algumas semanas atrás, quando Greenwood lia alguns detalhes online da memória oficial, ele descobriu a mina de ouro do CACTA.  Bem como Bolender insinuou, estes casos de 1969 foram caracterizados como “secretos”.  A listagem oferecia alguns detalhes.  Mas na coluna ‘Determinação’, investigadores inseriram conclusões como “OVNI”, “SUS[peito] OVNI” e “Perseguição OVNI“.  Isso foi surpreendente.  Durante os anos de procura pelos registros militares, com base no Ato de Liberdade de Informação, Greenwood assiduamente evitou usar a temida palavra ‘O…’, por receio de ter seus pedidos jogados na lixeira; agora, de repente, aqui estava a Força Aérea empregando de forma rotineira essa abreviatura radioativa. Imaginem só.  De qualquer forma, Greenwood cruzou os dados dos casos do CACTA com os registros oficiais do Livro Azul e, como já era de se esperar, bem como Bolender escreveu, eles não estavam em lugar algum.
A maioria do que obtivemos do Vietnã vem de histórias e memórias“, diz Greenwood de sua casa ao redor de Boston.  “Isto é um tanto impactante, porque agora temos datas, horas e locais.  É completamente o contrário do que esperaríamos da Força Aérea.  Eu não posso imaginar um assunto de segurança nacional maior do que os eventos que ocorreram durante o tempo de guerra.  Não estou, no sentido literal, sugerindo que estes objetos eram espaçonaves.  Mas o que sabemos é que isto aconteceu e os registros ainda são classificados como secretos.
Além disso, os 16 casos em questão são somente de 1967 e 1969.  Como Greenwood indica, o Tio Sam ficou envolvido no Vietnã por uma década inteira.  O que mais está lá fora?  Quais são os detalhes por detrás dos resumos dos incidentes que agora sabemos a respeito? “Perseguição OVNI?” O que? Greenwood, que publicou suas inesperadas descobertas no mês passado numa newsletter de distribuição limitada, está fazendo mais pedidos com base no Ato de Liberdade de Informação.
Enquanto isto, veteranos da Guerra do Vietnã escutem: Se você tiver algo para contribuir, Barry Greenwood gostaria de escutar de você no e-mail uhrhistory@verizon.net
…E os governos e a ciência corporativa insistem em dizer que OVNIs são frutos da imaginação humana.