Translate

terça-feira, 28 de julho de 2015

Caso Prof. Antônio Roiuk


Dois importantes detalhes foram revelados no dia 25 de novembro de 1975 a respeito do Prof. Antônio Roiuk e seu estranho aparecimento em Vilhena, Rondônia. O primeiro deles é que seu corpo estava completamente paralisado ao ser encontrado numa rua daquela localidade. Esse fato, bastante estranho, contado pela sua esposa Maria Celeste. 
Outra revelação, não menos estranha, foi feita pelo piloto Veiga, que trouxe Roiuk de volta à Campinas: o avião que ele pilotava estava cheirando enxofre na volta, fato que não ocorreu na ida. 
Os médicos Nubor Facure e Roberto Moreira, que deram assistência ao professor Roiuk, disseram que seu estado de saúde era bom, que tudo estava bem, ao mesmo tempo em que informavam que ele tinha se submetido a um eletroencefalograma. 
Nos exames feitos, nada foi acusado de anormal. 
"Agora ele irá fazer exames de sangue, e vai tirar uma chapa do crânio, aí, nós médicos poderemos dar maiores detalhes. Pelos exames já feitos, tudo está normal", afirmou na ocasião o Dr. Nubor.  
Continuando, disse que no dia 25 de novembro de 1975, conversou com o professor durante três horas e que ele não conseguiu se lembrar de nada do que aconteceu antes de aparecer em Vilhena. Só se lembrou que teve uma forte dor de cabeça, deitou na direção do carro e só foi acordar na Segunda-feira, dia 17 de novembro, em Rondônia. 
O Dr. Nubor disse ainda acreditar que tudo o que Rouik afirmou era verdade, pois nas três horas em que conversou com ele, poderia ter caído em contradição. Mas, pelo contrário, ele sempre falava com firmeza as coisas que lembrava antes de aparecer em Vilhena. 
Disse ainda o médico que foi uma coisa muito estranha o que ocorreu com ele. "Vamos esperar que ele venha a se lembrar do que aconteceu. Ele tem que repousar bastante e fará ainda outros exames", completou na ocasião. 
Eram precisamente 18h 30m quando o Prof. Roiuk saiu do consultório do Dr. Nubor Facure. Apoiando em seu sogro Antunes e na esposa Maria Celeste, entraram numa Belina vermelha, dirigida pelo Sr. Antunes e tomaram rumo ignorado. Logo que entrou no veículo, o Prof. Antônio Roiuk deitou-se no 
banco traseiro dando mostras de que estava bastante cansado. 
Maria Celeste, falando aos repórteres, pediu desculpas por não poder falar muito sobre seu marido. Disse que Roiuk tinha ordens do médico para não falar com ninguém a não ser da família, e que, a única preocupação sua era quanto ao seu estado de saúde. 
O misterioso aparecimento do professor Roiuk em Vilhena, Rondônia, repercutiu em âmbito nacional.  
João Leite Neto e Edgar Cavalheiro, repórteres da Rede Globo de Televisão, incumbidos de fazerem reportagem para o programa "Fantástico", afirmaram que o caso era bastante estranho, e que já haviam tentado de todas as formas, explicações para o caso, sem êxito. 
"Eu nunca vi coisa igual", afirmou Leite Neto. "Está tudo bem confuso, ninguém sabe explicar nada, somente o professor poderá contar quando ele se lembrar. Até lá, vamos ter que esperar, se é que vai se lembrar de alguma coisa". 

(Jornal Diário do Povo - 27/11/1975)