Translate

quarta-feira, 8 de julho de 2015

JACQUES VALLEE


No filme Contatos Imediatos do Terceiro Grau, de Steven Spielberg, tem um cientista francês chamado CIaude La Combe, interpretado pelo diretor da Nouvelle Vague François Truffaut. Bem, La Combe é baseado em um personagem real: Jacques Vallee, astrofísico, folclorista, sociólogo, projetista de computadores e obcecado por discos voadores.
Francês naturalizado americano, ele consegue a rara proeza de ser um herege entre os hereges. Suas teorias causam estranheza até na comunidade ufológica, que costuma abraçar as teses mais estapafúrdias.
Jacques Vallee acredita que os discos voadores são um fenômeno psicossocial não muito diferente das outras mitologias humanas. Nisso ele concorda com as teses de Carl Gustav Jung (veja JUNG E OS DISCOS VOADORES), que afirma que os OVNI’s são uma manifestação do inconsciente coletivo. Mas as semelhanças param aí. Vallee vai do ceticismo militante à paranóia delirante em segundos. Especula, por exemplo, que OVNI’s sejam um “mecanismo de controle” para manipular a humanidade.

Outros fenômenos bizarros e aparentemente distintos (milagres, aparições da Virgem, visões de seres estranhos) seriam ações do mesmo “mecanismo”. Vallee suspeita que dividimos o planeta com uma raça superior que se mantém oculta e vigia de perto a nossa evolução espiritual. É como se alguém tivesse acesso ao inconsciente coletivo (Vallee prefere o termo “Database Cósmica”) e resolvesse produzir crenças sob encomenda. Mas nem por isso ele duvida da existência física dos discos voadores. Au contraire, O fenômeno é real e, segundo Vallee, envolve campos magnéticos e pulsos de microondas. Esta combinação afetaria o cérebro humano, provocando alucinações. Vallee acha que a ABDUÇÃO ALIENÍGENA nada mais é do que uma alucinação induzida. O conspirólogo, no entanto, tem o cuidado de nunca afirmar nada. Ele apenas fornece as pistas e, espertamente, deixa as conclusões para o leitor. Ou, nas palavras do próprio Jacques Vallee, “o importante não é oferecer respostas, é fazer as perguntas certas”.