Translate

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Perigo radioativo: pertences de Marie Curie, intocáveis durante 1500 anos


Marie Curie, conhecida como a "mãe da física moderna", morreu em 1934 por causa de anemia aplástica, uma rara doença no sangue ligada a altos níveis de exposição às suas descobertas famosas com elementos radioativos como o polônio e rádio. Um novo relatório diz que levará 1.500 anos para diminuir a radioatividade dos pertences da cientista.

Curie, a única mulher a ganhar um Prêmio Nobel em dois campos diferentes, física e química, promoveu a investigação do físico francês Henri Becquerel, que em 1896 descobriu que o elemento urânio emite raios radioativos.

No entanto, após mais de 100 anos, tanto bens pessoais de Curie, incluindo roupas, móveis, livros e notas de laboratório continuam contaminados por radiação, de acordo com o site  The Christian Science Monitor.

Considerado tesouros nacionais dos cientistas, os notebooks de Curie são armazenados em caixas revestidas com chumbo na Biblioteca Nacional da França, em Paris.

A biblioteca permite que os visitantes vejam os manuscritos científicos, mas a assinam  uma declaração de renúncia a usar equipamento de proteção, os objetos estão contaminados com rádio-226, que tem uma meia-vida de 1.600 anos.

Desde que os pertences de Curie absorveu as primeiras ondas radioativas foi passado mais de 100 anos e deve esperar mais de 1.500 anos para ser eliminado metade do seu nível de radioatividade, de acordo com o artigo.

O corpo de Curie também foi contaminado por radiação e, por conseguinte, foi colocado num caixão forrado com aproximadamente uma polegada de chumbo. Marie Curie e seu marido, Pierre Curie, estão enterrados no Panteão de Paris, mausoléu da capital francesa, onde estão os restos mortais de cidadãos ilustres gauleses.
RT

#Naty