Translate

terça-feira, 7 de abril de 2015

ALBERT SPEER


Arquiteto nazista que aplicou o “princípio das ruínas” nas obras monumentais encomendadas por Adolf Hitler. A missão de Speer era redesenhar Berlim para que a cidade ficasse à altura da missão de ser a capital do Reich de mil anos. Em 1930, Hitler definiu o tipo de arquitetura que gostaria de ver: “Se em um futuro distante, arqueólogos cavarem a terra (...), eles terão uma revelação que estremecerá o mundo”.

O “princípio das ruínas” é isso: construir prédios que pareçam magníficos quando despedaçados e cobertos de mato. Esta história bizarra aparece no documentário Arquitetura da Destruição, de Peter Cohen, que retrata o nazismo como um doentio e megalômano projeto estético. Nas artes plásticas, isso se reflete no banimento do modernismo e no retorno aos ideais da Renascença. Na medicina, o ideal estético compreende a adoção da eugenia para o aperfeiçoamento da raça ariana e a construção de campos de extermínio para transformar o resto da humanidade em sabão.

Arquitetura da Destruição é um documentário sério e nada tem de conspirologia. Mas a motivação estética nazi e o princípio das ruínas de Speer nos levam, inevitavelmente, à cosmologia de HANS HORBIGER, que acreditava que a missão da Alemanha nazista era trazer os deuses de volta à Terra. Ressuscitar os antigos Titãs. Só eles compreenderiam a civilização nacional-socialista quando descobrissem as ruínas de Speer.

Assista Aqui..