Translate

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Cientistas europeus encontram indícios de vida extraterrestre em cometa


Os cientistas podem estar mais perto do que se imagina de descobrir a existência de vida extraterrestre. De acordo com pesquisadores europeus envolvidos na missão do robô Philae, que pousou no cometa Chury em novembro do ano passado, características do objeto sugerem a existência de micro-organismos vivendo abaixo de sua superfície.

A crosta negra, rica em material orgânico, e lagos gelados encontrados pelo robô Philae seriam possíveis devido à presença de micróbios. Além disso, a nave espacial Rosetta, que orbita em torno do astro, teria encontrado aglomerados estranhos de material orgânico que se assemelham a partículas virais. Os dados indicam que organismos que contêm sais anti congelamento poderiam estar ativos em temperaturas abaixo de -40 graus, como as que aparecem no cometa. O astro possui áreas congeladas cobertas de material orgânico e os micro-organismos estariam envolvidos na formação dessas estruturas de gelo.

“ Cinco séculos atrás era uma luta para que as pessoas aceitassem que a Terra não era o centro do universo. Depois dessa revolução, nosso pensamento manteve a Terra no centro em relação à vida e à biologia. Isso está profundamente enraizado na nossa cultura científica e precisaremos de muitas provas para nos livrar disso”, afirmou o cientista Chandra Wickramasinghe, criticando a resistência das pessoas em aceitar que exista vida fora da terra.

Segundo os cientistas, as condições encontradas nos cometas podem oferecer o ambiente ideal para a vida de micróbios similares a extremófilos, organismos que sobrevivem em condições geoquímicas extremas na Terra. Os pesquisadores vão além, afirmam que os cometas podem ter ajudado a espalhar “sementes de vida” pela Terra e até mesmo em outros planetas como Marte.

“Isso não é facilmente explicado nos termos da química prebiótica. O material negro é constantemente reabastecido como se fosse fervido pelo calor do sol. Algo deve estar fazendo isso em um ritmo bastante produtivo”, afirma o cientista.

O GLOBO