Translate

sexta-feira, 31 de julho de 2015

MK ULTRA


Programa criado pela CIA em 1953 para desenvolver mecanismos de controle da mente humana, o MK Ultra tinha dois objetivos: O primeiro era desenvolver técnicas de interrogatório e um soro da verdade funcional. O segundo, bem mais interessante, era criar o agente secreto perfeito. Imagine um espião que não sabe que é espião até que a sua mente seja acionada por um “gatilho”. Num momento, ele é, digamos, uma autoridade militar altamente confiável. De repente, recebe um telefonema, ouve a palavra “repolho” e atira no presidente. Conspirólogos afirmam que vários assassinatos atribuídos a malucos solitários são, na realidade, complôs muito bem orquestrados pela CIA ou organizações similares que possuem essa "tecnologia mental”.
O mais alarmante e que o MKUltra não é uma fantasia paranóica. O programa existiu mesmo. Em 1970, uma investigação do senado americano colocou a CIA contra a parede. A agência teve de admitir, a contragosto, que submetera dezenas de cidadãos americanos a técnicas de CONTROLE MENTAL entre 1955 e 1958. Essas técnicas incluíam eletro-choque, lobotomia, hipnose e o uso de drogas alucinógenas. Na verdade, a criação do LSD pelo laboratório Sandoz Pharmaceutic teria sido influenciada e largamente subvencionada pela CIA.
Quando esses fatos foram expostos, a CIA se comprometeu a nunca mais realizar experiências mentais com cidadãos americanos. Alguns afirmam que a agência mentiu e que continua manipulando pessoas às escondidas. Outros dizem que ela transferiu seus experimentos para países periféricos, como o nosso. Afinal, o mundo é muito grande.