Translate

terça-feira, 28 de julho de 2015

Três casos relacionados?


Em 1972 o Sr. Milton de Oliveira Condessa encontrava-se em sua residência no edifício Gulin, rua Barão do Cerro Azul 1110/11 aproximadamente às 02:00h., encontrava-se assistindo a última programação de TV, com a janela da sala aberta, devido ao calor que fazia naquela madrugada. Nesse momento avistou uma luz intensa que se deslocava em sua direção. Quanto mais se aproximava o objeto, mais intensa se tornava à luz que irradiava. Resolveu então chamar a sua esposa que se encontrava dormindo. Após acordá-la dirigiram-se à janela do quarto, para observarem melhor o objeto.
“Era uma luz muito forte, como a de um holofote ou um flash e a medida que se aproximava, parecia que ia entrar no prédio” afirmou o Sr. Condessa e complementa sua esposa: “o quarto ficou tão iluminado como se fosse dia”.
Relata o Sr. Condessa que: “de repente, a uns 200 ou 300 metros acima da catedral metropolitana, o objeto realizou uma curva de 90º à esquerda, sem diminuir a velocidade que era espantosa e superior a de um avião. Nesse momento pudemos observar o objeto que tinha aproximadamente 50 metros de comprimento”.
“Era cilíndrico, assemelhando-se a um charuto, com uma luz forte em seu nariz (como um farol) e tinha vigias de luzes coloridas nos lados, amarela, vermelha, azul e verde. Também apresentava em sua parte superior duas luzes. Na parte de trás vimos faíscas reluzentes como um escape de automóvel. Não observamos como era a parte traseira do objeto, mas ouvimos um ruído sibilante como se puxasse um fio de cobre no asfalto”.
Comparação
O Sr. Condessa procurou através de sua janela encontrar alguém que pudesse presenciar aquele fenômeno, mas não avistou qualquer viva “alma na rua”, ou em seu prédio.
Por meio deste relato, com o desenho e detalhes, podemos concluir que o OVNI observado pelo casal Condessa, é o mesmo visto em Manitoba (Canadá) por quinze passageiros e três tripulantes de um jato Wardair que rumava para Yellowknife, no dia 23 de outubro de 1972.
Acompanhe agora o caso MANITOBA extraído do livro UFO-OBSERVAÇÕES, ATERRISAGENS E SEQUESTROS de Yurko Bondarchuk, página 187 (editora DIFEL). Analise as ocorrências e compare o desenho.

“Nordeste de Churchill, MANITOBA”

23 de outubro de 1972



A 23 de outubro de 1972, a tripulação e os passageiros a bordo de um jato WARDAIR viram-se face-a-face com uma nave esquisita, com formato de charuto, a vinte e dois mil pés de altitude. O jato decolara de Churchill, em Manitoba, rumando para Yellowknife, situada a setecentas milhas noroeste.

O capitão Darryl Brown, de quarenta anos, pilotou o jato CF-COL Grunman, que tinha decolado de Churchill, às 17:50h.. Quarenta minutos depois, quando o sol se punha na tundra setentrional, o piloto percebeu um cometa refulgente aproximando-se proveniente do Oeste. Contudo, abandonou rapidamente esta teoria, à medida que o objeto ia aproximando-se, revelando um perfil parecido com uma bala enfeitada com uma porção de luzes policromáticas e intermitentes.

A medida que este “charuto voador” começou a chegar mais perto do avião, a tripulação ficou assombrada com as dimensões. Parecia muito maior do que qualquer aeronave construída pelo homem, inclusive um Boeing 747. Apesar de não ter necessidade de compartilhar esta experiência com os outros, o capitão comunicou o fato aos quinze passageiros e apagou as luzes internas para permitir uma melhor visão da nave, que então eclipsava o jato.

Umas doze “vigias” ou “janelas” redondas alinhavam-se ao longo da base da nave, enquanto uma série de luzes amarelas e vermelhas acendiam-se e apagavam-se na parte superior. A traseira do UFO estava envolvida por uma nuvem parecida com um fog, por trás da qual eram vistas centelhas cor-de-laranja.

A nave tomou posição a uns 2.500 pés à frente do jato e num alinhamento perfeito com seu curso de vôo. Subitamente o avião foi iluminado por um raio de luz, que partia possivelmente da dianteira do “charuto”. A luminosidade era tão intensa que se tornou possível ler dentro da carlinga previamente escurecida.

De repente, enquanto os três homens da tripulação observavam aterrorizada, a gigantesca nave parou em pleno ar em frente ao jato! Antes que o capitão Brown tivesse tempo de fazer uma manobra de fuga, o “charuto” deslocou-se rapidamente para a direita. Foi então que o piloto decidiu, num rasgo de coragem, acompanhar a nave que desaparecia velozmente. Infelizmente, ela foi toldada, rapidamente, por um nevoeiro espesso que desapareceu ter surgido do nada. O UFO tinha sumido e todas a s tentativas feitas no sentido de localizá-lo fracassaram...”

Um terceiro caso?

Além deste episódio de Manituba podemos relacionar mais um caso, bem mais recente, em que aparentemente o mesmo objeto foi avistado. Este caso ocorreu em 2004 e envolveu a tripulação de um avião comercial durante um vôo entre Bauru e Araçatuba, no estado de São Paulo. Os protagonistas revelaram o caso à outro piloto comercial que por sua vez repassou ao Grupo de Estudos de OVNIs (GEO), de Pará de Minas (MG). O relato completo pode ser encontrado diretamente no site do grupo no link:
A seguir transcrevemos os trechos mais significativos do relato:
"Havíamos decolado de Bauru e então subimos para o 120. No 120 atingimos o topo da camada. Havia alguns cúmulos isolados. O horário era por volta das 18:40. Acima de nós estava tudo muito limpo.
Aí eu observei um tráfego na posição de 10 horas em aproximação. Foi então que eu perguntei ao ZM.
- Você está vendo o que eu estou vendo?

- Capitão, eu estou e estou com MEDO
 Era algo que à distância parecia vermelho. Mas estava se aproximando e então pude observar que o mesmo era da cor prata, e que tinha em volta de si diversas luzes vermelhas que ficavam piscando. Seu formato e tamanho era como de um 737, mas sem as asas. Na posição que ele se encontrava, não dava para ver o seu lado de tráz, se havia alguma outra coisa tipo uma deriva... mas estava se aproximando mesmo, a tal ponto, que tive que tirar a aeronave para a direita. O objeto se aproximava muito rapidamente da aeronave e pouco antes de entrarmos em contato com Curitiba, fomos obrigados a efetuar a manobra de evasão. O grau de proximidade do objeto fora realmente muito alto, a ponto da cabine ter clareado. Então indaguei Curitiba.
Entrei em contato com o Centro Curitiba e indaguei a respeito do tráfego no setor. Curitiba negou a existencia do tráfego. Então eu insisti que havia um tráfego se aproximando de nossa aeronave. Curitiba continou alegando desconhecer o mesmo.