Translate

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Terraformação: Nasa pode cultivar sementes no planeta Marte


A agência espacial americana propôs um experimento inédito e bastante polêmico, que pode ser o primeiro passo para a futura colonização do Planeta Vermelho. A ideia é germinar sementes no ambiente marciano e gerar naturalmente os primeiros traços de gases do efeito estufa no planeta.
Terraformacao em Marte
A ideia partiu de dois cientistas ligadas ao Centro de Pesquisa Ames, da Nasa, e se for aprovada deverá fazer parte do conjunto de experimentos que serão transportados na próxima missão robótica ao planeta, prevista para 2020.
Batizado de Mars Plant Experiment (MPX), o experimento poderá fornecer dados a longo prazo sobre possibilidade de crescimento de plantas terrestres na superfície marciana.
"Nesse primeiro momento, tudo que queremos é enviar as sementes até Marte e vê-las crescer", disse Heather Smith, principal investigadora do projeto MPX.
De acordo Chris McKay, coautor do projeto, não está sendo sugerido que o jipe-robô se torne uma espécie de jardineiro, cave buracos e plante sementes terrestres no solo marciano. Segundo McKay, o experimento seria totalmente autossuficiente, eliminando a possibilidade de que a forma de vida possa escapar e gerar alguma espécie de muda ou árvore em Marte.
Para isso, a o MPX utilizará uma caixa semelhante a um CubeSat, pequenos satélites quadrados de 10 cm de lado, que seria afixada no exterior do jipe-robô. Esta caixa poderia armazenar o ar da Terra e cerca de 200 sementes de Arabidopsis, uma pequena planta com flor que é normalmente usado em pesquisa científica.

Terraformação
Terraformação é o nome dado ao processo capaz de modificar a atmosfera e temperatura de um corpo celeste sólido com o objetivo de deixá-lo em condições adequadas para suportar um ecossistema com seres vivos da Terra.
Ao pousar em Marte as sementes receberiam água e em seguida começariam a germinar e crescer duas semanas ou mais. "Em 15 dias já teríamos um pouco de efeito estufa em Marte", brincou Smith.
Os resultados gerados seriam o resultado de um teste em nível orgânico no ambiente marciano e mostraria como a vida terrestre lida com os níveis de radiação relativamente altos do planeta e também com a baixa gravidade, que é cerca de 40% menor que a da Terra.
"Gostaríamos de a partir deste experimento simples partir para a construção de pequenas estufas, o que seria a base para a vida sustentável em Marte. Isso seria o objetivo", disse Smith.
"Além do potencial retorno científico, o MPX daria a humanidade um momento marcante, já que seria o primeiro organismo multicelular conhecido a crescer, viver e morrer em outro planeta", explicou a pesquisadora.


Arte: A ilustração mostra as fases da missão MPX, primeiro projeto para estudar o crescimento de seres multicelulares no ambiente marciano. Crédito: Chris McKay/MPX Team, Apolo11.com.