Translate

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Tratado impede que jipe-robô Curiosity investigue água em Marte


Embora esteja próximo de algumas das possíveis fontes de água detectadas na superfície marciana, um tratado internacional impede que qualquer sonda se aproxime delas, o que torna a inspeção direta dos locais um problema de difícil solução.

Desde que a NASA anunciou a possível presença de "água úmida" na superfície de Marte, diversas possibilidades passaram a ser levantadas para que se possa de fato "testar" essa água diretamente, principalmente sobre a sua origem.
No entanto, essa pesquisa direta não é tão simples assim e o motivo não é a falta de tecnologia ou os custos para sua execução. O problema está em um tratado da ONU (Organização das Nações Unidas) assinado em 1967 (inclusive pelo Brasil), que determina as políticas relativas à exploração espacial da Lua e de outros planetas.
Atualmente, o jipe-robô Curiosity está a menos de 50 km de distância de uma das fontes de "água úmida" recém-detectadas.

No entanto, para chegar até Marte o robô precisou viajar 225 milhões de quilômetros e neste trajeto pode ter sido contaminado por todo o tipo de partícula ou até mesmo micróbios, o que o torna possivelmente "sujo", violando o artigo IX do Tratado de Exploração Espacial.
Esse artigo diz, de modo simplificado, que os signatários do tratado devem realizar os estudos na Lua e nos corpos celestes com extremo cuidado, de modo a evitar a sua nociva contaminação e também possíveis alterações prejudiciais no ambiente da Terra, que possa ser resultante da introdução de substâncias extraterrestres.
Como se sabe, antes de partir rumo a outros planetas as naves são submetidas a intensas sessões de esterilização, mas nenhuma delas no grau necessário para a exploração da água no Planeta vermelho.
De acordo com Rich Zurek, cientista-chefe da Nasa para as missões a Marte, nenhum dos robôs atualmente em atividade no solo marciano está esterilizado no grau necessário para se aproximar da área onde o líquido possa estar presente.
Segundo o astrobiólogo Malcolm Walter, a Nasa e outras agências tem condições plenas de esterilizar em 100% qualquer objeto, mas a quantidade de radiação necessária é tão grande que fatalmente danificaria os instrumentos eletrônicos a bordo de uma nave.
"De modo a esterilizar 100% deve-se usar poderosas radiações ionizantes ou então calor intenso, mas ambos danificariam os instrumentos. Não é nada fácil fazer isso", explicou Walter.

Então, como fazer?
Como amplamente divulgado, a NASA tem planos de enviar seres humanos a Marte em 2030, então talvez esses astronautas possam ver com seus próprios olhos a "água úmida" correndo em ranhuras marcianas.
Outra possibilidade seria o envio de robôs capazes de construir, lá em Marte, outros robôs livres de contaminação. Essa possibilidade não é tão utópica como parece, já que a NASA vem desenvolvendo robôs capazes de imprimir estruturas em 3D, que poderiam ser usadas no planeta.
Até lá, tanto o Curiosity como o Opportunity terão que se conformar com a pouca higiene e manterem-se bem longe da água.


Em outras palavras, nada de banho, por enquanto.


http://www.apolo11.com