Translate

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Poderia este ser o último século da humanidade?


De acordo com Seth Shostak, astrônomo sênior e diretor do Instituto SETI (Procura por Inteligência Extraterrestre), a humanidade, tal qual a conhecemos, irá desaparecer mais tarde neste século como resultado de avanços tecnológicos e científicos.  Estes são desenvolvimentos que, a longo prazo, irão tornar pequenas as preocupações quotidianas sobre a política, guerras ou economia.
Segundo o astrônomo, durante o Século XXI, “três grandes coisas que não são necessariamente ruins irão ocorrer”.  O primeiro grande evento, nas palavras do diretor do SETI, é que as pessoas irão compreender a biologia a nível molecular.  Como resultado, “a humanidade será capaz de curar todas as doenças, e isto dará lugar à uma nova era de bebês projetados”.
Em seu artigo, Shostak escreveu:
“Para começar, iremos finalmente compreender a biologia a nível molecular.  A espiral dupla do DNA foi descoberta há meras seis décadas, e agora  – por pouco mais de mil dólares – você mesmo pode sequenciar o genoma do seu Yorkie.”
Ele também acredita que os humanos irão expandir até o espaço, aliviando o nosso super-populoso planeta.  O famoso astrônomo escreveu:
“Precisamos de recursos – tanto terreno quando matéria prima – a menos que estejamos contentes em condenar os nossos descendentes a um estilo de vida limitado e à guerra ilimitada.  Você pode se preocupar sobre ficar sem petróleo, mas este não é o recurso que deveria nos deixar ansiosos.  Iremos devorar as reservas facilmente recuperáveis das coisas como cobre, zinco e os metais do grupo da platina, em questão de décadas.
Finalmente, antes de 2100, Shostak prediz que a humanidade irá desenvolver aquilo que se chama em inglês de generalized artificial intelligence – GAI, ou inteligência artificial generalizada, que permitirá às máquinas desempenharem o trabalho normalmente executado por pessoas; algo que irá mudar as nossas vidas para sempre.  Shostak acredita que num futuro próximo, máquinas poderosas irão coexistir com humanos, e computadores não somente irão executar jogos como xadrez, etc., mas serão capazes de executar o pensamento necessário para qualquer trabalho de colarinho branco, inclusive os de alto escalão.
Shostak escreve:
“Tais máquinas não serão necessariamente grandes.  A sinapse no nosso cérebro tem poucos milhares de nanômetros em tamanho.  Um transistor em um chip é centenas de vezes menor. O hardware necessário para ‘inteligência-a-nível-humano, mesmo hoje, poderia caber num iPad.”
Segundo o diretor do SETI, o processo de colocar pessoas grandes em colônias fora da Terra, eventualmente irá levar a um tipo de “especiação”. “(Especiação é o processo evolucionário, através do qual novos tipos biológicos reprodutivamente isolados, ou espécies, surgem.)  Shostak argumenta que colônias fora da Terra têm um ambiente físico diferente daqui e, de acordo com dados históricos, o ambiente social também será especial:
“A reengenharia de nossos filhos transformará a nossa espécie ainda mais rapidamente. No final, poderemos produzir filhos que são tão diferentes de nós, quanto os cães são dos lobos.  As alterações casuais da nossa espécie, ocasionadas pela evolução Darwiniana, irão permitir melhorias direcionadas pelos futuros engenheiros.”
Os tempos mudam rapidamente, e a espécie humana está destinada à mudança.  Somos uma espécie ávida para aprender, explorar e evoluir.
“As pessoas do Século XI poderiam ficar incomodadas pela tecnologia de hoje, mas elas não teriam problemas em nos reconhecer.  Porém, é improvável que reconheceríamos os humanos daqui a um milênio.”
Via  OVNI HOJE